Posts

Saúde dos olhos, saúde do corpo!

Todo mundo já ouviu dizer que “os olhos são a janela da alma”, mas na verdade, são as janelas do corpo também. Eles são capazes de revelar doenças que, a princípio, não afetam a visão ou se relacionam com os olhos. Mas não é apenas isso: há uma estreita relação entre o “grau” (miopia, hipermetropia, astigmatismo), que são consideradas as doenças oculares mais comuns, e outras doenças da visão que podem levar à cegueira.

Inúmeras doenças sistêmicas (que afetam todo o corpo) podem também levar a alterações nos olhos e na visão (e isso pode ser o primeiro sinal de algumas enfermidades).

Há doenças oculares e sistêmicas que causam ou agravam o “grau”. Como por ex. diabetes mellitus, catarata, intoxicação medicamentosa, botulismo, tumores, infecções, aumento da pressão intracraniana, etc. As ametropias (grau), doenças oculares tidas aparentemente como simples, podem representar fator de risco para doenças oculares graves e com potencial cegante, como a obstrução dos vasos da retina, a degeneração macular relacionada à idade (conhecida como DMRI) e o glaucoma.

SAÚDE VISUAL E GERAL CAMINHAM DE MÃOS DADAS.
-| Consulte regularmente seu médico oftalmologista! |-

Fonte: Revista VejaBem, do Conselho Brasileiro de Oftalmologia, n. 20, ano 07, 2019.

IPB e OneSight na Amazônia

Durante a semana dos dias 09/06 a 15/06 nosso time de residentes e ex-residentes esteve participando do Projeto Social OneSight na região ribeirinha de Parintins/Amazonas. Neste projeto voluntário foram atendidas gratuitamente 2417 pessoas, além do fornecimento dos óculos.
Foi uma semana intensa para a nossa equipe, mas de muita satisfação pessoal, além das boas ações à comunidade.
É o IPB e a Fundação Dr. João Penido Burnier fazendo a diferença na comunidade!

 

Simpósio do IPB – 99 anos!

No dia 08/06/2019 aconteceu o Simpósio do IPB, comemorativo aos 99 anos de existência desta casa. Tendo como tema “O caso mais interessante da minha vida”, grandes oftalmologistas do cenário nacional se encontraram e realizaram discussões do mais alto nível técnico e científico.
Coordenado pela Dra. Elvira Barbosa Abreu, foi sem dúvida um dos melhores encontros médicos deste ano. Veja a programação completa, clicando aqui!
Parabéns a todos que abrilhantaram e organizaram este belo Simpósio.
E que venham os 100 anos!

Óculos de sol ajudam mesmo?

Óculos de sol são belos acessórios e fazem parte do nosso dia a dia. É grande a variedade de modelos presente no mercado, mas seu propósito vai muito além da moda. Eles são verdadeiros aliados quando o assunto é saúde ocular. Então, a resposta é sim, ajudam e muito, mas, para isso, é importante escolher os óculos certos.

Os raios ultravioletas emitidos pelo sol podem trazer sérios riscos à saúde. A exposição prolongada é capaz de causar problemas como o envelhecimento precoce e até mesmo câncer. De maneira geral, a principal preocupação é com a pele, que também deve ser protegida, mas, sem o cuidado adequado, os olhos também são afetados. Os óculos de sol têm a função de bloquear estes raios, impedindo que cheguem até a retina, além de proporcionar maior conforto à visão em dias mais claros e reduzir a evaporação da lágrima, prevenindo, desta forma, o ressecamento dos olhos.

Óculos falsos ou de procedência duvidosa, além de não cumprirem a função de proteger os olhos, ainda podem causar sérios danos à visão. Ocorre que as lentes escuras provocam a dilatação da pupila (como quando abrimos os olhos em locais com pouca ou nenhuma iluminação), fazendo com que a retina fique mais exposta. Quando os óculos não bloqueiam a entrada dos raios ultravioleta, eles atingem diretamente a retina, podendo aumentar as chances do aparecimento da catarata e da degeneração macular. O preço pode ser atrativo, mas não vale a pena arriscar a saúde dos seus olhos.

Fonte: Revista Veja Bem, n. 20, ano 07, 2019.

A vida é melhor sem óculos

Através da cirurgia a laser é possível a correção dos problemas de refração e uma vida praticamente independente de óculos.

Com o avanço da medicina, já é possível dizer que os óculos são antiquados e as lentes de contato, trabalhosas e custosas. Quem possui algum tipo de “grau” sempre sonhou em acordar pela manhã enxergando sem precisar tatear à sua volta, procurando por seus óculos. Praticar esportes, vida social, festas, trabalhos e muitas outras situações ficariam melhores se houvesse a independência dos óculos ou lentes de contato.

E é por meio da cirurgia a laser, para a correção de miopia, astigmatismo e hipermetropia ou pela cirurgia com o ultra-som para o implante de lentes intra-oculares, que tudo isto tornou-se possível.

A visão de volta aos jovens e adultos

A miopia, o astigmatismo e a hipermetropia podem ser corrigidos isoladamente ou quando combinados, através da cirurgia refrativa, desde que o grau esteja estabilizado e o exame oftalmológico completo não mostre nenhuma alteração. Portanto, um cuidadoso exame deve ser realizado e as devidas orientações e dúvidas esclarecidas, avaliando se o candidato está ou não apto para ser operado.

A cirurgia a laser consiste em esculpir e modelar a curvatura da córnea com a tecnologia do laser, chamado Excimer Laser. Os aparelhos de última geração executam a cirurgia com previsibilidade e segurança, assim a estabilidade cirúrgica tornou-se mais alta, mas sempre a confiança e experiência do cirurgião se fazem absolutas.

Idosos mais cheios de vida

Muitas vezes nossos pais e avós, quando abandonam atividades usuais e corriqueiras, o fazem devido à perda gradativa da visão. Tal situação interfere na qualidade de vida, pois traz insegurança. Pessoas com mais de 55 anos de idade que passam a apresentar alteração no grau dos óculos e alteração visual podem estar iniciando o desenvolvimento de catarata. Ao contrário do que a maioria das pessoas pensa, a cirurgia da catarata atualmente é praticada pela técnica da facoemulsificação do cristalino (técnica que utiliza ultrassom), e não há mais a necessidade do ¨tal amadurecimento da catarata¨ por completo. A catarata, por esta técnica, será dissolvida e fragmentada em pequenas partículas que serão aspiradas pelo equipamento adequado. Trata-se de uma cirurgia feita por uma microincisão e implanta-se, então, uma lente intraocular que substituirá o antigo cristalino. As lentes mais modernas são dobráveis e flexíveis, fazendo com que na maioria das cirurgias sequer seja necessário o emprego de pontos. A anestesia é local e sem riscos. No momento do diagnóstico da catarata a cirurgia já pode ser indicada se o cirurgião possuir a experiência necessária para realizá-la.

Devemos lembrar que a correção da catarata também vem acompanhada da correção total ou parcial do grau prévio do paciente. O avanço tecnológico das novas lentes intraoculares também permite o cálculo preciso do grau residual, muitas vezes, fazendo com que haja abandono do óculos em definitivo.