Posts

Terapia Antiangiogênica

Injeção intraocular de fármacos combate doenças como DMRI e edema macular causados por diabetes.
A terapia antiangiogênica é um procedimento cada vez mais utilizado no tratamento de doenças que afetam a retina. Técnica que surgiu nos anos 2000, trata-se da aplicação de fármacos que diminuem a proliferação e a permeabilidade de vasos sanguíneos no interior dos olhos. Esses medicamentos são injetados na cavidade vítrea, onde há o gel (humor vítreo) que preenche cerca de 80% do volume do olho.
O procedimento deve ser realizado por um oftalmologista especializado no diagnóstico, tratamento e acompanhamento de indivíduos com doenças na retina.
Indicações: A terapia é indicada para casos de edema de mácula (inchaço na porção central da retina) por diabetes mellitus, obstrução de veias retinianas e degeneração macular relacionada à idade (forma exsudativa da DMRI), doença não tão conhecida pela população como o glaucoma ou a catarata, mas que, atualmente, está entre as principais causas de cegueira em pessoas com mais de 60 anos, atingindo cerca de 30 milhões de indivíduos no mundo, de acordo com a Sociedade Brasileira de Retina e Vítreo (SBRV).
Na prática: O procedimento é simples e rápido, porém, necessita cuidado, pois é invasivo. A aplicação é realizada com anestesia local (colírio ou anestésico injetado sob a conjuntiva) e raramente causa dor. Antes da aplicação, o uso de um colírio com iodopovidona diminui consideravelmente o risco de endoftalmite, como é denominada a infecção no interior do olho.
O número de aplicações pode variar de acordo com a doença ocular e a resposta do paciente ao tratamento.
Pós-terapia: O paciente é liberado depois do procedimento, com a recomendação de contatar imediatamente o seu oftalmologista caso tenha dor, diminuição da visão ou secreção ocular nos dias seguintes.
Progressos: Aliada no tratamento de diversas doenças, a tendência é que terapia antiangiogênica siga sendo utilizada, com fármacos ainda mais potentes. Novidades devem surgir nos próximos anos, com a introdução de outras substâncias antiangiogênicas. Espera-se que elas tenham maior eficácia, com melhores resultados visuais, e que os intervalos entre as aplicações sejam maiores, com diminuição dos custos diretos e indiretos do tratamento.
Fonte: Revista Universo Visual. Disponível em: https://universovisual.com.br/secao/noticias/300/terapia-antiangiogenica-e-aliada-em-tratamentos-oculares

Convênio IPB – McGill University

Pela primeira vez na história do curso de especialização em oftalmologia do IPB os residentes estão tendo a oportunidade de realizar estágio curricular no Henry C. Witelson Ocular Pathology Laboratory (McGill University), em Montreal/Canadá. A oportunidade surge através de um convênio, firmado com o Prof. Dr. Miguel Burnier Jr., diretor do laboratório e do centro de pesquisas em saúde, além de ser prof. titular de Oftalmologia, Patologia e Oncologia Ocular.

Durante todo o ano nossos residentes do último ano de especialização cursam parte de sua grade de oftalmologia patológica nas dependências do laboratório e ambulatórios canadenses.

Dra. Mariana Botelho nos descreve a experiência: “A possibilidade de extender nosso currículo e nossos conhecimentos com a ida ao Laboratório foi uma oportunidade inesquecível. Dr. Miguel é um renomado chefe que guarda grande apreço pelo Instituto. É incrível o modo como ele dirige o Laboratório e a equipe humana e brilhante que o cerca. Essa experiência nos incentiva cada vez mais na área científica e de pesquisa, despertando um interesse muito intenso em fazer diferença no meio das inovações e descobertas da oftalmologia. E o melhor de tudo é poder carregar o nome do nosso amado instituto conosco.”

Além do curso regular, ainda estão tendo a oportunidade de participar das inúmeras pesquisas científicas realizadas pela equipe do renomado laboratório, o maior em patologia ocular do mundo, e de apresentar seus trabalhos nos maiores e mais badalados congressos mundiais de oftalmologia, como a ARVO e a AAO (Academia Americana de Oftalmologia).

Pesquisas desenvolvidas pela Dra. Mariana em conjunto com o laboratório:

  • TOPOGRAPHIC DISTRIBUTION OF CARUNCLE TUMORS: A 12 YEAR STUDY;
  • CLINICOPATHOLOGICAL ANALYSIS OF MELANOCYTIC EYE TUMORS: A 12 YEAR REVIEW;
  • EPIDEMIOLOGICAL AND HISTOPATHOLOGICAL STUDY OF OCULAR VASCULAR AND PERIVASCULAR TUMORS: A 12 YEAR REVIEW;
  • HEMANGIOPERICYTOMA OF THE ORBIT: CASE SERIES.

Dra. Andreise Paro, por sua vez,  está desenvolvendo o trabalho HISTOPATHOLOGICAL ANALYSIS OF PATIENTS WITH MELANOCYTIC LESIONS OF THE CONJUNCTIVA: A 10-YEAR REVIEW.

O convênio entre o IPB e a McGill ainda está propiciando a capacitação de outros médicos do hospital a nível de pós-graduação.

O IPB e a Fundação Dr. João Penido Burnier (em especial sua Diretora Dra. Elvira Abreu) agradecem a generosidade da McGill e do Prof. Burnier em receber nossos profissionais para aperfeiçoamento e por acreditar no potencial de cada um deles.

A vida é melhor sem óculos

Através da cirurgia a laser é possível a correção dos problemas de refração e uma vida praticamente independente de óculos.

Com o avanço da medicina, já é possível dizer que os óculos são antiquados e as lentes de contato, trabalhosas e custosas. Quem possui algum tipo de “grau” sempre sonhou em acordar pela manhã enxergando sem precisar tatear à sua volta, procurando por seus óculos. Praticar esportes, vida social, festas, trabalhos e muitas outras situações ficariam melhores se houvesse a independência dos óculos ou lentes de contato.

E é por meio da cirurgia a laser, para a correção de miopia, astigmatismo e hipermetropia ou pela cirurgia com o ultra-som para o implante de lentes intra-oculares, que tudo isto tornou-se possível.

A visão de volta aos jovens e adultos

A miopia, o astigmatismo e a hipermetropia podem ser corrigidos isoladamente ou quando combinados, através da cirurgia refrativa, desde que o grau esteja estabilizado e o exame oftalmológico completo não mostre nenhuma alteração. Portanto, um cuidadoso exame deve ser realizado e as devidas orientações e dúvidas esclarecidas, avaliando se o candidato está ou não apto para ser operado.

A cirurgia a laser consiste em esculpir e modelar a curvatura da córnea com a tecnologia do laser, chamado Excimer Laser. Os aparelhos de última geração executam a cirurgia com previsibilidade e segurança, assim a estabilidade cirúrgica tornou-se mais alta, mas sempre a confiança e experiência do cirurgião se fazem absolutas.

Glaucoma

Glaucoma é o nome dado a um grupo de doenças que afetam o nervo óptico num padrão característico. A pressão intraocular elevada é um fator de risco significativo para o desenvolvimento de glaucoma.

Existem vários tipos de glaucoma. O mais comum é o glaucoma primário de ângulo aberto, frequentemente sem sintomas. Normalmente associado a uma pressão intraocular maior do que 21 mmHg, dificultando a circulação de sangue pelo nervo óptico.

Outro tipo, o glaucoma de ângulo estreito, é caracterizado por aumentos súbitos de pressão intraocular. Isto ocorre em olhos geralmente pequenos, pela obstrução da saída do líquido do olho pela parte colorida (a íris). Glaucoma de ângulo estreito na maioria das vezes causa dor e deixa a visão borrada, levando a perda visual irreversível dentro de um curto período de tempo. É considerada uma situação de emergência oftalmológica e requer tratamento imediato. Muitas pessoas o confundem com dor de cabeça, chegam a fazer tomografias e estão apresentando crises de glaucoma de ângulo estreito. Glaucoma congênito é uma doença genética rara que atinge bebês. Apresentam olhos aumentados e córneas embaçadas.

Glaucoma secundário ocorre como uma complicação de várias condições como: cirurgia ocular, catarata avançada, lesões oculares, uveítes, diabetes ou uso de corticóides.

Por não ter sintomas distintos, uma complicação quase que inevitável do glaucoma é a perda visual, afetando inicialmente a visão periférica. No começo a perda é sutil, e pode não ser percebida pelo paciente. Perdas moderadas a severas podem ser notadas pelo paciente através de exames atentos da sua visão periférica. Isso pode ser feito fechando um olho e examinando todos os quatro cantos do campo visual notando claridade e acuidade, e então repetindo o processo com o outro olho fechado.

Se a doença não for tratada, o campo visual se estreita cada vez mais, obscurecendo a visão central e finalmente progredindo para a cegueira do olho afetado.

Esperar pelos sintomas de perda visual não é o ideal. A perda visual causada pelo glaucoma é irreversível, mas pode ser prevenida ou atrasada por um tratamento.

 

Veja o padrão de perda visual devido ao glaucoma:

 

Blefarite

Blefarite é uma inflamação crônica e não contagiosa das pálpebras. É normalmente caracterizada pela produção excessiva de uma camada lípidica (óleo),  gerada por uma glândula encontrada na pálpebra, criando uma condição favorável para o crescimento bacteriano. As pálpebras ficam cobertas por detritos oleosos (caspas) e bactérias em torno da base dos cílios, podendo levar à perda destes.

Sintomas: coceira, irritação ocular, sensação de corpo estranho, lacrimejamento. Muitas vezes estes sintomas podem ser confundidos com conjuntivite, e durarem longos períodos sem melhora.

O tratamento consiste em pomadas de antibióticos e anti-inflamatórios nas crises, compressas mornas, higiene dos cílios com xampu neutro diariamente e mudança dos hábitos alimentares com diminuição da ingestão de gorduras.

Um oftalmologista pode fazer o diagnóstico preciso desta condição e indicar o melhor tratamento!